sábado, 14 de abril de 2012

Se beber, não embarque: restrição de passageiros alcoolizados na União Europeia


Aeroporto de Fiumicino - Roma

Lições, em nossa vida, são aprendidas de duas maneiras: ou pelo caminho prazeroso ou pelo caminho da dor. A proibição de viajar sob efeito de álcool em voos na União Europeia, aprendemos pela dor. Aproveitando que vocês estão lendo isso e aprendendo da melhor forma possível, contaremos a história aqui.

Roma, Aeroporto Internacional de Fiumicino, inverno europeu....

Tivemos sorte de pegar todos os aeroportos abertos, pois vários tinham sido fechados uma semana antes devido às nevascas que assolavam a Europa. Até o aeroporto que desembarcaríamos em Londres só havia sido liberado dois dias antes.
Chegamos lá poucos minutos antes de fechar o check-in. Despachamos a bagagem (com os casacos mais grossos dentro) e fomos para a sala de embarque. Lá, descobrimos que o nosso voo estava atrasado. Sem bagagem, sem casacos e sem poder sair, num frio de -4ºC, decidimos comprar no free-shop algumas garrafas de Limoncello (licor típico feito de limão siciliano) para esquentar o corpo. O atraso foi maior do que o esperado, 6 horas, e a bebida surtiu efeito demasiado. Nívia achou objetos perdidos, conversou com um pessoal do Curdistão, vomitou no chão... Em resumo, aloprou geral.
Na hora do embarque, chegamos a entrar na aeronave, sentamos e afivelamos os cintos. De repente, Nívia percebeu que o procedimento de decolagem estava demorando mais do que o normal e as aeromoças estavam tensas. Foi quando entrou no avião um policial federal italiano e a aeromoça apontou para nós. Ele veio em nossa direção. Fomos 'convidados' pela Polizia a sair da aeronave, por motivos os quais nosso desconhecimento da língua italiana não deixava compreender. Tivemos as passagens rasgadas. E Saímos, né? Você também sairia...
Fomos enxotados da aeronave e, por pouco, não fomos também do aeroporto. Graças a Nívia, que deu uma de mais doida do que realmente é e pediu um tradutor,  conseguimos alguém que falasse, pelo menos, o espanhol. Estabeleceu-se uma comunicação. No meio da situação vexaminosa, o intérprete informou que, na Itália, como em muitos países da UE, é proibido embarcar em um avião se você tiver bebido. Nívia ainda tentou argumentar, dizer que não ia 'dirigir' o avião, iria ficar bem quietinha lá no fundo da aeronave e prometeu até dormir, se fosse o caso, mas ele explicou que a proibição de viagem de pessoas alcoolizadas se deve ao tráfico de seres humanos – pessoas eram obrigadas a beber e depois levadas a outros países para trabalho escravo, prostituição e tráfico de órgãos.
Os policiais diziam que nós não poderíamos voltar ao aeroporto antes das 6h da manhã. Nívia argumentou que não poderia voltar para Roma comigo naquela situação e, ainda mais, tendo que carregar todas as malas sozinha. Designaram umas cadeiras em frente à porta do aeroporto e sob a vigilância de câmeras de segurança. Disseram que não levantássemos de lá antes do amanhecer. Obedecemos. Nívia colocou as malas sob a os pés, sentou e eu dormi no ombro dela. Ela não pregou o olho! Vários maus elementos entraram e saíram do aeroporto. Às 5h da manhã, morrendo de vontade de fazer xixi, Nívia decide levantar e ir ao sanitário. A câmera acompanha o movimento e ela senta de volta. Ok. Mais uma hora pela frente.
Quando amanheceu, fomos comprar novas passagens (Lembra que nossa passagem foi rasgada pelo policial?). Depois de 23h de aeroporto e muita ociosidade, pegamos um novo voo para Londres.
Melhor não beber mesmo...



E aqui fica mais uma lição para que vocês não tenham que passar pelo que nós passamos: beber e viajar, mesmo que você não vá 'dirigir' o avião, não é uma boa escolha. Se o frio for grande, escolha casacos ou algo que lhe esquente que não seja alcoólico ou você poderá estourar o orçamento de sua viagem, se tiver sorte de não ser deportado.

Leia Também:


E não esqueça de fazer sua cotação de seguro de viagens com o nosso parceiro Real Seguros. É mais barato do que você imagina e, comprando em nosso link de vendas, você ajuda nosso blog a se manter vivo sem gastar nada a mais com isso. Clique aqui e saiba mais.

Se busca por hospedagem, pesquise em nosso buscador do Booking. O site, que também é nosso parceiro, para ao blog uma comissão por hospedagem fechada que são pesquisadas no box presente em nosso site, ou seja, mais uma ajudinha que você nos dá sem precisar desembolsar nada a mais por isso


Nívia Gouveia
é jornalista, travel-writer e professora de língua portuguesa. Mochileira convicta, leitora incurável, sonhadora juramentada, ela pertence a uma linda labrador chocolate chamada Shakira.
Comentário(s) pelo Facebook:

1 comentários:

  1. meu deus! não sabia dessa! que barra hein! fiquei imaginando a situação...
    enfim, ótima dica :)

    ResponderExcluir


Um casal de viajantes que resolveu juntar as mochilas e compartilhar suas aventuras de estrada.
Saiba mais sobre nós (+)

 
Juntando Mochilas © Todos os direitos reservados :: voltar para o topo