segunda-feira, 19 de março de 2018

Um mergulho na Ilha de Santo Aleixo

Diferente do mergulho de profundidade, o mergulho de superfície pode ser praticado até por principiantes.
(Foto: Fábio Sirinhaém)
No nosso passeio à Ilha de Santo Aleixo, que você acompanhou na semana passada aqui no blog (clique aqui para ler o artigo), tivemos a oportunidade de fazer um mergulho de superfície. Agora vamos contar para você sobre essa experiência.
O responsável por nos orientar no mergulho foi o Fábio, que nós conhecemos ainda em terra, no ponto de saída das lanchas, em Barra de Sirinhaém. Fábio é nativo de Barra e já trabalha há dois anos com mergulho de superfície. Por ser de lá, ele conhece bem o mar e os corais na Ilha de Santo Aleixo e evita pontos perigosos.

Fábio (dir.) já vai no barco conosco, oferecendo o passeio aos turistas. (Foto: Juntando Mochilas)

Primeiro, o profissional nos levou à Praia da Ferradura e explicou sobre a origem da Ilha e da formação dos corais, falou sobre a vida marinha e nos ensinou a utilizar os equipamentos: máscara, snorkel e pés de pato (nadadeiras). Podem parecer objetos simples, mas eles precisam de umas manhas, pois, como o Fábio falou, o ecossistema marinho é cheio de vida e movimentos bruscos podem assustar os peixes.

Polvo se assustou com a nossa presença e entrou na "loca", que são esses espaços nos corais. (Foto: Fábio Sirinhaém).

Dadas as primeiras explicações, ele nos ajudou a colocar os equipamentos. Jayme foi sem os pés de pato, pois calça 44/45 e não havia este tamanho à disposição. E nós entramos no mar. Primeiro no rasinho e, aos poucos, nos aproximando dos corais. A cada braçada, uma nova descoberta. Peixes transparentes, peixes coloridos, um polvo, ouriços, corais e sua rica vegetação.

Nenhuma foto é capaz de mostrar exatamente tudo de lindo que vimos ali. Só pra deixar com inveja, eu vi a Dory!
(Foto: Fábio Sirinhaém)
Como a maré estava baixa, não conseguimos passar dos arrecifes. No entanto, até onde vimos, já valeu muito a pena o passeio, que durou cerca de uma hora e meia e custou R$ 30 por pessoa. No final, se você quiser, pode ficar usando o equipamento até a hora da saída da Ilha. As fotos e filmagens estão incluídas no pacote e o Fábio envia no mesmo dia para o seu e-mail ou whatsapp.
Só não esqueça de usar (bastante) protetor solar. Você passa muito tempo flutuando de costas pro Sol e entretido com os peixinhos. Quando vai ver, já queimou. Eu usei FPS60 e, mesmo assim, voltei bem ardida. E olha que eu sou daqui. Já deveria estar acostumada.

Incidência solar é grande, mesmo dentro da água. Capriche no protetor! (Foto: Fábio Sirinhaém).

Leia também:

A deslumbrante ilha de Santo Aleixo no Litoral Pernambucano
Porto de Galinha para mãos de vaca

Nívia Gouveia
é jornalista e travel-writer. Mochileira convicta, leitora incurável, sonhadora juramentada, ela pertence a uma linda labrador chocolate chamada Shakira.
Comentário(s) pelo Facebook:

0 comentários:

Postar um comentário


Um casal de viajantes que resolveu juntar as mochilas e compartilhar suas aventuras de estrada.
Saiba mais sobre nós (+)

 
Juntando Mochilas © Todos os direitos reservados :: voltar para o topo
design + código gbml