terça-feira, 13 de junho de 2017

Um passeio inquietante pelo Franz Kafka Museum

Museu de Franz Kafka é parada obrigatória para quem está em Praga e é fã de literatura.
“Numa manhã, ao despertar de sonhos inquietantes, Gregor Samsa deu por si na cama transformado num gigantesco inseto. Estava deitado sobre o dorso, tão duro que parecia revestido de metal, e, ao levantar um pouco a cabeça, divisou o arredondado ventre castanho dividido em duros segmentos arqueados, sobre o qual a colcha dificilmente mantinha a posição e estava a ponto de escorregar. Comparadas com o resto do corpo, as inúmeras pernas, que eram miseravelmente finas, agitavam-se desesperadamente diante de seus olhos. Que me aconteceu? - pensou. Não era um sonho”.

O excerto acima você deve conhecer, pois pertence a um clássico da literatura mundial, escrito há 105 anos. É o primeiro parágrafo do livro A Metamorfose, a obra mais famosa do escritor tcheco Franz Kafka. Quando a escreveu, Kafka tinha 29 anos de idade e morava ainda na casa dos pais, sob um regime opressivo. Tendo tido uma infância solitária, marcada pela ausência dos pais, criado por babás e sem contato com as outras crianças da rua, o jovem Franz tornou-se circunspecto. Na vida adulta, foi um homem tímido, mas de forte impulso sexual e paixões vorazes.
A influência por vezes ditatorial do pai, um próspero comerciante de Praga, afetou psicologicamente o escritor. Ele levou essa carga emocional vida afora, inclusive imprimindo-a em suas obras e cartas. As temáticas abordadas sempre giram em torno de abusos, desespero, culpa, conflitos, sofrimento. Sua obra, apesar de curta, tendo em vista que ele morreu aos 40 anos e queimou quase todos os escritos, é profunda, para não usar a palavra ‘incômoda’. E nada melhor para entender Kafka que ‘mergulhar na mente’ dele.
Se você vai a Praga e gosta de literatura, sugiro que não deixe de conhecer o Franz Kafka Museum. A atração fica na casa onde ele cresceu, no bairro de Malá Strana, à beira do Rio Moldava (partindo do centro de Praga, a pé, é só cruzar a Ponte Carlos / Karluv Most e depois entrar na primeira rua à direita). Apesar de grande, a casa tem janelas pequeninas, é fria e escura por dentro. Um ambiente claustrofóbico, que já deixa o visitante inquieto. Em cerca de uma hora, o visitante passeia pela casa acompanhado por sons angustiantes de sussurros, gritos, batimentos cardíacos e respiração ofegante.
Não é permitido tirar fotos dentro do Museu Franz Kafka, aí todo mundo aproveita os Ks do lado de fora pra um registro.

É possível estar num ambiente que simula o quarto onde Kafka vivia praticamente confinado e onde escreveu suas melhores páginas, como sua Carta ao Pai. A cada sala para que se avança, o espaço é menor e mais escuro, o que dá uma sensação de desassossego. A gama de cores escolhidas também contribui para a atmosfera pesada do local. Sempre em tons de marrom, ocre, cinza e azul marinho, quarto após quarto, o homem Franz se desnuda aos olhos do espectador.
Objetos pessoais, fotos do escritor e de suas amantes, páginas escritas e rasgadas, tudo leva a entender a condição humana de Kafka. O visitante sai de lá com a sensação de ter-se metamorfoseado, também, num enorme e repugnante inseto, mas também com a sensação de entender o artista. É como se a gente compartilhasse um sentimento com o próprio Franz Kafka. E isso é mais inquietante no Museu.

A escultura de pedra, representando dois homens fazendo xixi no mapa da República Tcheca, se move.
Do lado de fora, esculturas que se mexem e fontes continuam a causar espanto levam a um misto de café com loja de suvenires relacionados à obra. Vale a pena levar algo para casa. Os preços são convidativos e o Museu se sustenta da venda de ingressos e dos lanches e produtos da lojinha. Pela qualidade do que é apresentado, dá gosto de tomar um cafezinho enquanto se digere o que se viu e ouviu ali.
Interessou? O ingresso para a atração custa 200 Coroas Tchecas (equivalente a cerca de 7,5 Euros) por adulto. Estudantes, idosos e pessoas com mobilidade reduzida pagam 120 Coroas Tchecas (4,5 Euros). O ticket-família para dois adultos e duas crianças sai por 540 Coroas Tchecas (20 Euros). O museu ainda oferece visitas guiadas, mapas e ingressos com descontos especiais para grupos. 
___________________________________________________________
Para chegar na Alemanha vindo do Brasil, a Condor Linhas Aéreas é uma das melhores opções, com voos semanais partindo do Rio de Janeiro, Fortaleza e Recife direto para Frankfurt, sem escalas. Se quiser fazer uma cotação e já sonhar com mais essa viagem, clique aqui.

Leia também:


Nívia Gouveia
é jornalista, travel-writer e professora de língua portuguesa. Mochileira convicta, leitora incurável, sonhadora juramentada, ela pertence a uma linda labrador chocolate chamada Shakira.
Comentário(s) pelo Facebook:

0 comentários:

Postar um comentário


Um casal de viajantes que resolveu juntar as mochilas e compartilhar suas aventuras de estrada.
Saiba mais sobre nós (+)

 
Juntando Mochilas © Todos os direitos reservados :: voltar para o topo