segunda-feira, 12 de maio de 2014

Olinda Para se Encantar

Igreja do Carmo, vista a partir do jardim da biblioteca central.

Conhecer Olinda é uma experiência que dificilmente decepciona o visitante. Suas igrejas históricas, casarios do século XVIII, vielas e ladeiras se somam com a rica culinária e cultura existentes em cada esquina. A expressão máxima dessa cultura é vista todos os anos no que é conhecido como um dos maiores carnavais do Brasil, quando blocos e troças desfilam pelas ladeiras centenárias com seus bonecos gigantes, ao som de frevo e do maracatu, acompanhados de uma multidão que sabe bem todas as músicas dos festejos de momo.

Leia também: Guia completo sobre o carnaval de Recife e Olinda

Maracatus ensaiam todos os dias pelas ladeiras da cidade alta.

Fora da época festiva, o Sítio Histórico de Olinda guarda tesouros que estão acessíveis aos pés mais dispostos a caminhar suas ladeiras. Para quem não quiser, ou não poder, enfrentar essa caminhada, há um trenzinho turístico à disposição que parte em frente a biblioteca pública. Logo na chegada da cidade alta, na Praça do Carmo, o visitante encontrará um grupo da Associação de Condutores Mirins de Olinda - ACMO, um ótimo projeto da prefeitura que prepara jovens e crianças de comunidades carentes, fornecendo treinamento para os mesmos e disponibilizando-os para conduzir os turistas. Todos são bilíngues e bem instruídos, o que acaba por trazer práticas sociais ao ofício. O roteiro completo com um deles sai por R$25,00.
Nos primeiros passos por Olinda você irá reparar uma grande quantidade de ateliês e artistas empreendendo seu oficio. Muitos pintam seus quadros ali mesmo, na rua, e disponibilizam seus espaços de trabalho para expor obras. Uma verdadeira galeria de arte a céu aberto.

Arte por toda parte
Aproveite a caminhada para conhecer o Mercado da Ribeira (Rua Bernardo Vieira de Melo, Ribeira) para comprar artesanato, e tirar fotos com alguns bonecos gigantes e sombrinhas de frevo que estão à disposição dos turistas, além de comprar alguns CDs de frevo.

No Mercado da Ribeira, você pode "vestir" um boneco gigante
Pouco depois você encontrará o Museu do Mamulengo (Rua de São Bento, 344 – Ribeira. Entrada: R$ 2,00) com um acervo de mais de 1200 bonecos antigos e contemporâneos, é o primeiro do gênero na América Latina. A Sede do Homem da Meia Noite (Rua do Amparo, 31) é outra parada que não pode ficar de fora de seu roteiro. Venerado por todos os amantes do carnaval pernambucano, a casa guarda roupas, fotos e registros dos mais de 80 anos de história do grande símbolo do carnaval olindense. E não pense que você irá o ver no local: O homem da meia noite fica trancado em uma sala e só sai de lá no carnaval ou em eventos excepcionais. A última vez que isso aconteceu foi no velório do presidente do bloco.


Roupa do Homem da Meia Noite

As igrejas que compõem o centro histórico são majestosas e trazem várias traços artísticos, de épocas diferentes, predominando o Barroco e o Neoclássico. No Convento de São Bento (R. de São Bento, s/n), por exemplo, além da grandiosidade de seu altar-mor, pode-se contemplar a missa em canto gregoriano, que acontece todos os domingos.

Altar-mor do Convento de São Bento

Principal templo de Olinda, a Catedral da Sé (Ladeira da Sé, s/n) está localizada no ponto mais alto da cidade, o Alto da Sé. Recentemente foi construído um mirante, aproveitando a estrutura de uma antiga caixa d'água que atendia o centro histórico, e de onde se tem uma vista privilegiada de Olinda e também da vizinha Recife.

Vista de Recife a partir do mirante do Alto da Sé

Um dos acessos ao Alto da Sé se dá pela Ladeira da Misericórdia, cujo nome será fácil de lembrar, se você conseguir subi-la. Para repor as energias depois de chegar lá, pode-se degustar uma tapioca nas diversas barraquinhas que estão em frente à igreja. A fama das tapioqueiras faz com que os próprios vizinhos do Recife tragam sempre amigos e visitantes ao Alto da Sé, para degustar essa iguaria tipicamente pernambucana e contemplar a vista da primeira e da atual capital do Estado.
Em se tratando de boa comida, Olinda possui uma grande variedade de restaurantes, alguns com destaque nacional, como a Creperia de Olinda (Praça Conselheiro João Alfredo, 168 – Carmo), várias vezes eleito o melhor do Recife pela revista Veja, e a Oficina do Sabor (Rua Amparo, 335), eleito em 2011 como o melhor restaurante de comida brasileira do Brasil, além do Beijupirá (Rua Saldanha Marinho, s/n – Amparo) para bolsos mais folgados. Querendo algo bem regional e mais em conta, visite a Casa da Noca (Rua Bertioga, 243 – Cidade Alta) e conheça uma das melhores macaxeiras com charque da cidade. Vale também uma visita a Bodega de Véio (Rua do Amparo, 212), lugar frequentado por artistas, jornalistas e todo tipo de gente ligada à cultura, além do desfile da população de Olinda, que é uma atração à parte. A mercearia conserva as características de uma bodega tradicional de interior, além de servir bons petiscos e bebidas para quem quer bater um papo no balcão ou até mesmo na rua.

Bodega de Véio
Em termos de hospedagem, a proximidade com Recife a torna uma escolha melhor para se instalar. Pode-se conhecer o Centro Histórico de Olinda e todos os pontos citados no texto em uma boa caminhada de um dia e muitos fazem um bate-volta a partir de Recife, distante apenas 7km. Mas se mesmo assim você optar por ficar no Centro Histórico, recomendamos o Albergue de Olinda (Rua do Sol, 233 – Carmo) pertencente a rede Hostelling International. O albergue tem decoração tipicamente local, chalés individuais e piscina. Infraestrutura acima da média nacional.

Albergue de Olinda

Veja também:

Carnaval de Recife e Olinda
Recife e seus encantos mil
12 curiosidades que você provavelmente não sabia sobre Recife
09 curiosidades que provavelmente você não sabia sobre Olinda
Museus pouco conhecidos de Recife
Os melhores bares de praia de Maceió
Campina Grande além do São João

Agora que você se decidiu ir pra Olinda, que tal umas dicas adicionais?
E não esqueça de fazer sua cotação de seguro de viagens com o nosso parceiro Real Seguros. É mais barato do que você imagina e, comprando em nosso link de vendas, você ajuda nosso blog a se manter vivo sem gastar nada a mais com isso. Clique aqui e saiba mais.

Se buscar por hospedagem, pesquise em nosso buscador do Booking. O site, que também é nosso parceiro, paga uma comissão por hospedagens fechadas que são pesquisadas nos buscadores dos blogs parceiros, ou seja, mais uma ajudinha que vocês nos dão para continuar com o blog vivo e ativo.


Nívia Gouveia
é jornalista, travel-writer e professora de língua portuguesa. Mochileira convicta, leitora incurável, sonhadora juramentada, ela pertence a uma linda labrador chocolate chamada Shakira.
Comentário(s) pelo Facebook:

1 comentários:

  1. Adorei o pedaço da pessoa não esquecer o nome da ladeira da Misericórdia! kakakakaak

    Muito legal, acho que tu resumiu bem (apesar de recifense não consigo desvendar Olinda direito) o espírito de Olinda.

    Ah, e eu não sabia dessa sala do Homem da Meia-Noite. Quero ver quando estiver aí! :*

    ResponderExcluir


Um casal de viajantes que resolveu juntar as mochilas e compartilhar suas aventuras de estrada.
Saiba mais sobre nós (+)

 
Juntando Mochilas © Todos os direitos reservados :: voltar para o topo