quarta-feira, 4 de abril de 2012

Pequeno manual sobre passeio de Gôndola

Ahhh, Veneza...
Se existe uma atração com pior custo/satisfação que já tive conhecimento, ela se chama Passeio de Gôndola em Veneza. Calma, antes de acharem que irei “descascar” uma das atrações que mais enchem os olhos dos românticos ao redor do mundo, irei explicar: a expectativa levantada por tantos filmes, imagens e livros de história estão muito além das que esse passeio de 40 minutos pode atender. Veneza por si só transpira romantismo, seus canais são divinos e místicos, sua história em cada esquina e cada beco nos faz ter a sensação de que iremos esbarrar com alguma figura do passado, e navegar em um barco a dois, conduzido por um “serviçal” realmente parece coisa de cinema. Mas vamos a alguns pontos esclarecedores sobre esse histórico e romântico passeio.

Onde o passeio de gôndola decepciona

Primeiramente, e antes de tudo, no preço, mas falaremos disso mais adiante. Depois, a primeira imagem que você terá da gôndola será a de um grande urna fúnebre. Ela é preta, com detalhes em veludo e flores de gosto duvidoso. Depois disso, o gondoleiro não estará com aquele chapéu de abas largas e roupa listrada alvirrubra das vitrines da agencia de viagem, muito menos empunhará um acordeão e sim, estará ao celular falando com a namorada ou esculachando com a cara de um colega que furou a fila de gôndolas. A opção com tocador de acordeão até existe, só que é bem mais cara do que o já caro passeio.
Se você tiver ido no verão, além de pegar a cidade lotada de turistas, enfrentará o mal cheiro dos canais, sem falar no tráfego onde estará dividindo espaço com vaporettos e outras embarcações a motor. Se for no inverno, prepare-se para sentir (muito) frio. Se já é frio na superfície, onde centenas de pessoas reduzem a circulação de ar e aumentam a temperatura, imagine-se sentado num barco, no meio de um corredor de vento e com o traseiro abaixo do nível do mar...

"Sai da foto, gondoleiro"

Mas ainda sim, vale a pena?

Vale, nem que seja para chegar em casa dizendo que fez o passeio. Mas fora o orgulho de contar sobre a viagem para seus amigos, o passeio é uma oportunidade de estar entre os canais menores e mais pitorescos da cidade, ouvir um pouco da historia das casas e vielas e de seus moradores através do gondoleiro e desfrutar a vista de Veneza que é bela em todos os aspectos. Por ser um passeio a dois, contemplando a cidade bem sentado, abraçado e sem se acotovelar com outros turistas é uma experiência única de fato.

Canais menores

Vamos falar em valores

Como parâmetro, em Dezembro de 2010 (quando estivemos na cidade) o passeio de Gôndola nos custou 70,00. Porém, ele poderia ter custado até 120,00 se não fossem as seguintes estratégias:

1. Evitar pegar gôndola da Praça de São Marcos. Buscar pontos de gôndolas fora dela;
2. Procure o final da tarde, pois é mais fácil de negociar preço, além dos canais (principalmente o Gran Canal) estarem mais vazios;

Negociar é uma regra universal em Veneza, até porque o povo dessa cidade vive do comércio desde os tempos mais remotos.
Mas se ainda sim os valores estiverem fora de seu orçamento e você não se contentar em sair de lá sem o passeio, existem os traguerris que são gondolas compartilhadas que servem como meio de transporte entre as duas margens do Gran Canal e custam € 1,00. São cheios e você pode nem conseguir sentar, mas é uma gôndola.

Gran Canal

Curiosidade

Se estiver em Santa Catarina sem dinheiro para ir a Veneza, dê um pulinho no município de Nova Veneza e você poderá desfrutar de um passeio em uma legítima gôndola, a única na América do Sul, conduzida por um gondoleiro a caráter. Passeio esse que nem Recife, conhecida como Veneza Brasileira, possui.

Leia também:

Deixe a viagem dar errado
Restrição para viagem de passageiros alcoolizados na União Européia
Como assistir a Missa do Galo no Vaticano


Vídeos de viagem:


E não esqueça de fazer sua cotação de seguro de viagens com o nosso parceiro Real Seguros. É mais barato do que você imagina e, comprando em nosso link de vendas, você ajuda nosso blog a se manter vivo sem gastar nada a mais com isso. Clique aqui e saiba mais.

Se busca por hospedagem, pesquise em nosso buscador do Booking. O site, que também é nosso parceiro, para ao blog uma comissão por hospedagem fechada que são pesquisadas no box presente em nosso site, ou seja, mais uma ajudinha que você nos dá sem precisar desembolsar nada a mais por isso



José Jayme
engenheiro civil, travel-writer, nerd de carteirinha, amante da boa comida e esportes em geral. Colaborador do guia e portal O Viajante.
Comentário(s) pelo Facebook:

1 comentários:

  1. Quando fui a Veneza não gostei. Fui de excursão com a escola, obviamente não andamos de gôndola, ficamos um dia e não fizemos mais do que rodar algumas daquelas ruazinhas estreitas. Pra piorar, meu dinheiro acabou bem no dia. Fiquei com essa sensação de que tem muita fama e não é tudo isso. A Itália tem muita coisa menos conhecida e mais interessante! Mas as pessoas falam tãão bem que fico pensando até em voltar. Queria ver o carnaval, andar de gôndola, conhecer direito... As gôndolas são caras, mas ir a Veneza sem andar de gôndola.. Já vi uns documentários com uns roteiros alternativos.. Eles sim me parecem legais!

    ResponderExcluir


Um casal de viajantes que resolveu juntar as mochilas e compartilhar suas aventuras de estrada.
Saiba mais sobre nós (+)

 
Juntando Mochilas © Todos os direitos reservados :: voltar para o topo